11 de jan de 2010

Ritmo Escápulo Umeral

É necessário que a escápula esteja fixa durante os movimentos do braço para servir de apoio aos músculos que o movimentam. Esta fixação se faz por uma dupla de músculos, o trapézio e o serrátil anterior, que agem em direção oposta atuando como uma força de um binário – duas forças paralelas não-coincidentes e em direções opostas que tendem a causar rotação.


A soma dos movimentos nas articulações Acromioclavicular (AC) e Esternoclavicular (EC) é igual à amplitude de movimento na Escapulotorácica (ET). A clavícula gira em torno de seu eixo longitudinal e representa um fator fundamental da mobilidade do ombro. Quando essa rotação é impedida, a amplitude de movimento do complexo do ombro é restrita a 110º.

Ritmo Escapuloumeral: o úmero fornece 90º e 120º de elevação para o movimento umeral ativo e passivo, respectivamente. Após 30º de abdução e 60º de flexão, a proporção entre a rotação escapular para cima e o movimento umeral é de 1º/2º. Para cada 15º de elevação do úmero, há 5º de rotação escapular para cima e 10º de ação da Glenoumeral (GU).
Durante 180º de abdução do complexo cintura escapular – ombro, 60º de ADM ocorre na ET e 120º na GU.